Em Sergipe é realizado o IV Encontro de Mulheres do Campo e da Cidade


Na manhã e na tarde do sábado, 22 de fevereiro, mais de 80 mulheres de movimentos sociais de moradia, juventude, trabalhadoras do campo, pescadoras e sindicatos participaram do IV Encontro de Mulheres do Campo e da Cidade em Aracaju organizado pela a Marcha Mundial de Mulheres do estado de Sergipe . O encontro ocorreu no auditório do Sindicato dos Trabalhadores da Educação de Sergipe (SINTESE).


Fizeram parte do encontro mulheres da Central Única dos Trabalhadores (CUT), da Consulta Popular, do Sindicato dos Trabalhadores da Educação de Sergipe (SINTESE), do Levante Popular da Juventude, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), do Movimento Organizado dos Trabalhadores Urbanos (MOTU), do Movimento Mulheres Camponesas (MMC), da Casa das Domésticas, da Associação da Pesca, do Movimento de Mulheres Trabalhadoras Rurais (MMTR) e do DCE da UFS. Além disso, contamos com a presença da assessoria da Deputada Estadual Ana Lúcia (PT) e do Vereador Iran Barbosa (PT).


Este espaço teve o objetivo de contribuir na formação dos diversos movimentos sociais e sindicatos que constroem a Marcha Mundial de Mulheres do estado de Sergipe, assim como um momento de preparação para o 8 de Março que se aproxima. 


No primeiro momento tivemos uma mística de abertura e saudações às organizações presentes. Logo em seguida foi realizado um debate sobre o tema Mulher na Política. Este momento foi bastante importante, pois foram suscitadas diversas reflexões sobre a temática.  


Um delas colocada por Maria Teles, Secretária de Políticas Públicas para Mulheres do Estado de Sergipe, que ressaltou “a importância da luta das mulheres para garantir mais espaço na política e na criação de políticas públicas voltadas para as mulheres”. Além disso, secretária levantou ainda algumas ações da secretaria quanto a políticas públicas para as mulheres no enfrentamento da violência contra a mulher.


Outra reflexão levantada foi a da militante Emanuele Suzart, da Marcha Mundial de Mulheres e da Consulta Popular, que relembrou a origem da desigualdade de gênero e o processo de exclusão da mulher na esfera da política, além de cobrar do governo uma atenção maior para as pautas feministas.


Segundo Emanuele “o movimento feminista não constrói de agora pautas que visam mudar o sistema político, mas o processo de construção do Plebiscito Popular que se coloca no momento atual é boa oportunidade de colocar essas pautas com mais força e de reforçar a importância da mulher na política”.


No terceiro momento foi realizada uma troca de experiência sobre os desafios propostos para as mulheres nas organizações em que fazem parte.


O encontro fomentou a necessidade de formação das mulheres, seja nos movimentos feministas, seja nos movimentos mistos. Também animou e fortaleceu as mulheres para a construção das lutas no estado de Sergipe para o ano de 2014. Com as mulheres organizadas e dispostas para a luta, damos passos importantíssimos para a construção de um Projeto Feminista e Popular!